quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Analisando Narrativas - Memórias de um sargento de milícias

Estrutura da narrativa

Enredo

O futuro sargento de milícias, Leonardo, filho de Leonardo Pataca e de Maria Hortaliça, é o resultado das pisadas, beliscões e atos similares praticados pelo casal de imigrantes portugueses durante a travessia do Atlântico rumo ao Rio de Janeiro.
Sete meses depois do desembarque os efeitos do namoro manifestaram-se claramente: nasce um robusto menino que é batizado com o nome do pai. A parteira e o barbeiro foram os padrinhos do herói, que passa junto dos pais os primeiros anos de sua infância.
Leonardo Pataca, que se torna meirinho, descobre que era traído pela mulher. Em conseqüência, briga com ela e expulsa o filho com um violento pontapé, fazendo-o sair de casa em busca de consolo com o padrinho. À tarde, ao retornar, é informado de que a mulher tinha fugido rumo a Portugal a convite de um capitão de navio. Leonardo Pataca abandona seu filho com o padrinho e vai viver com uma cigana, que também o abandona.
Enquanto isso Leonardo, o filho, é adotado pelo padrinho, que muito se afeiçoara a ele, vai crescendo e a cada dia se revela mais briguento e travesso, prenunciando futuros envolvimentos com o famoso major Vidigal, que era o terror de todos os malandros e baderneiros da época.
O padrinho tenta encaminhar o menino na carreira eclesiástica, coloca-o na escola; mas o menino não revela interesse nem para religião nem para escola. Na Igreja da Sé, onde consegue ser sacristão o terrível menino faz tantas travessuras que é expulso pelo mestre-de-cerimônias o qual, por sua vez, não era um modelo de padre, pois vivia ocultamente com uma cigana.
Já rapaz, Leonardo prefere a vida de vadiagem e brincadeiras. Conhece Luisinha, filha de Dona Maria, apaixona-se por ela, mas esta se casa com um terrível rival – José Manuel, apesar dos esforços da comadre para afastá-lo de caminho.
Leonardo Pataca reconquista a tal cigana, mas é novamente abandonado. Passa a viver com Chiquinha, a filha (ou sobrinha da parteira). Daí nasce uma filha.
O padrinho morre, Leonardo vem morar com o pai, mas não se entende com Chiquinha, e sai de casa, passando a vagabundear pelos subúrbios da cidade onde conhece Vidinha, uma mulata sensual, pela qual se apaixona; entretanto esta tinha muitos pretendentes, surgindo assim, muitas confusões e interferências do Major Vidigal, que fica furioso com a fuga de Leonardo.
Ocorrem outros fatos, Leonardo é preso, mas é solto como soldado do Vidigal, sem nenhuma vocação para profissão, nosso herói passa a maior parte do tempo na prisão por indisciplina.
Com a constante proteção da madrinha, que recorre à ajuda da Maria Regalada, um antigo amor de Vidigal. Leonardo supera todas as adversidades, chegando ao posto de Sargento de Milícias. Recebe a herança deixada por seu padrinho e, por fim, casa-se com seu verdadeiro amor, Luisinha.

• Personagens

- Leonardo: de menino traquinas, sempre pronto a fazer travessuras e vingar-se de quem não o suportava, passa a ser sargento de milícias, posto de grande responsabilidade o que caracteriza a trajetória desordenada e contraditória e um personagem que não controla o meio em que se envolve e vai, pelo contrário, deixando-se levar por ele. Leonardo é a figura principal de enredo. É considerado anti-herói se comparado aos modelos românticos.

- Leonardo Pataca: é o primeiro malandro da Literatura Brasileira. Tendo conseguido chegar a meirinho, o que lhe garante uma vida ociosa. Ele é apresentado como o infeliz que é perseguido sempre pela má sorte na vida pessoal. A velhice o acama e afinal, encontra a paz ao lado de Chiquinha.

- Comadre: a comadre fez uso de sua influência e das informações que obtém para organizar o mundo segundo seus interesses. Nem sempre é bem sucedida, mas a sorte favorece e consegue ver o afilhado bem casado e na posição de sargento de milícias.

- Compadre (barbeiro): era um homem de bom coração. Afeiçoara-se tanto a Leonardo que não vê o lado negativo do menino. Parece identificar-se com Leonardo, pois também fora menino abandonado que tivera que enfrentar a vida sozinho. Não vive o suficiente para ver o final feliz do afilhado.
- Vidigal: “era o rei absoluto, o arbitro supremo que tudo dizia a respeito a esse ramo da administração; era o juiz que julgava e distribuía a pena, e ao mesmo tempo o guarda que dava caça aos criminosos”.
Apesar de tudo, é visto de forma simpática, principalmente porque termina sendo paca fundamental para o que o destino se encerre de forma favorável.

- Vidinha: era cantora de modinhas. Uma mulatinha de 18 a 20 anos. É a primeira personagem da ficção brasileira que se apresenta como uma mulata sensual que enlouquece os homens com sua vida livre e sem compromissos.

- Luisinha: foi o primeiro amor de Leonardo. É interessante a comicidade do primeiro encontro entre os dois, quando Luisinha é apresentada como uma verdadeira anti-heroína romântica, pois é feia e sem graça; no entanto, Leonardo acaba se apaixonando por ela e passa a ter um comportamento ridículo, como se vê na cena em que tenta fazer uma declaração de amor.

• Tempo

Cronológico
A narrativa tem um enredo linear por que é mensurável em horas, dias, meses, anos, séculos; começa narrando a infância do personagem e depois os demais fatos de sua vida na ordem em que eles ocorreram.

• Espaço

Toda a história acontece no período de D. João VI, na zona urbana.

• Ambiente

É o espaço carregado de características socioeconômicas, morais, psicológicas, em que vivem os personagens. No caso desta obra, que é um romance de transição para o Realismo/Naturalismo, não foram abordados temas da burguesia, mas sim das camadas mais populares do século XIX: meirinhos, barbeiro, cigana, etc.

• Narrador

O enredo é narrado em terceira pessoa por um narrador onipresente, que está presente em todos os lugares da história. Ela não conta apenas o que se passa com os personagens, mas também o que sentem.

• Tema

Aventura de tipos humano característicos da sociedade carioca do começo do século XIX. Retrata a realidade social.

• Assunto

A obra concentra-se nas proezas (amorosas), festas, encontros, instituições e profissões populares da cidade, cujas ruas são descritas com a animação de uma verdadeira narrativa de costumes.

• Mensagem

Mesmo após tantas críticas e agouros que recebeu dos vizinhos por ser tão traquino, Leonardo consegue um bom futuro, tornando-se Sargento de Milícias.

• Discurso

Na narrativa, o autor utiliza o discurso direto, registro da fala do personagem do modo como ele o diz. Para entender melhor segue o exemplo:

“O compadre adiantou-se e disse-lhe com um sorriso conciliador:
- O passado passado; vamos...ela está arrependida...doidices de rapariga...mas não há de fazer outra...
O Leonardo não respondeu; pôs-se a passear pela loja com as mãos cruzadas para trás e por debaixo das abas da casaca; porém pelo seu semblante via-se que ele estimara as palavras do compadre, e que seria o primeiro a pronunciá-la.”

Pudemos observar a introdução da fala do personagem pelo narrador através do verbo de elocução (dizer), dois pontos e o travessão.

• Comentário Crítico

A obra Memórias de um Sargento de Milícias pode ser considerada como o verdadeiro romance de costumes do Rio Colonial – sendo um documento de uma determinada época descrita com malícia, humor e sátira ao período de D. João VI no Brasil.
Apesar de ter sido escrito em pleno romantismo, “está meio em desacordo com os padrões e o tom do momento” (Antonio Cândido), pois, ao contrario dos romancistas seus contemporâneos, abandona a visão da burguesia urbana com suas convenções a fim de retratar o povo em toda a sua simplicidade – parteiras, comadres, barbeiros, meirinhos etc. – uma classe que não tinha aparecido como personagem, não havendo idealização desses personagens, ambientes ou situações, graças à observação direta e objetiva.
Quanto ao herói do romance, Leonardo, por sua origem, vagabundagem e suas atitudes escandalosas, é considerado um anti-herói, que não tinha nobreza de caráter.
Muitos outros aspectos, também, ferem a sensibilidade romântica como a linguagem mais popular; a descrição das personagens femininas e os nomes a elas atribuídos – quase sempre diminutivos ou extravagantes: a essência da mulher submissa ao homem e da mulher respeitada e inatingível etc.
Por tudo isso, o romance é considerado uma obra de transição para o Realismo/Naturalismo, apresentando, contudo, vários pontos de contato com o Romantismo, como por exemplo, o estilo frouxo, a linguagem por vezes descuidada e principalmente o final feliz.

Memórias de um Sargento de Milícias distancia-se da sensibilidade romântica pelas seguintes razões:

• A história não envolve personagens da classe dominante, mas sim de pessoas da baixa renda.
• O personagem central não é nem herói nem vilão, trata-se de um anti-herói malandro, de natureza picaresca.
• As cenas não são idealizadas, mas reais, apresentando aspectos pouco poéticos da existência.
• Ausência de moralismo e recusa da idéia de que as ações humanas se dividem necessariamente entre boas e más.
• Troca de sentimentalismo pelo humorismo, do estilo elevado e poético pelo estilo tosco e direto, sem torneios embelezadores.
• O estilo é oral e descontraído, diretamente derivado da conversa ou do estilo jornalístico da época.


“MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS” DISTANCIA-SE DA SENSIBILIDADE ROMÂNTICA PELAS SEGUINTES RAZÕES:


• O personagem central não é nem herói nem vilão, trata-se de um anti-herói malandro, de natureza picaresca;

• As cenas não são idealizadas, mais reais, apresentando aspectos pouco poéticos da existência;

• Ausência de moralismo e recusa a idéia de que as ações humanas se dividem necessariamente entre boas e más;

• A história não envolve personagens da classe dominante, mas sim de pessoas da baixa renda;

• Troca de sentimentalismo pelo humorismo, do estilo elevado e poético tosco e direto, sem torneios embelezadores;

• O estilo é oral descontraído, diretamente derivado da conversa ou do estilo jornalístico da época.




11 comentários:

  1. meus parabens pela sua capacidade e responsabilidade tenho um trabalho para fazer sobre essa grandepeça de manuel,e irrei colocar algumas coisas que vc comento eu so tenho a dizer meus parabens...

    ResponderExcluir
  2. Meus parabéns por tamanha objetividade e facilidade em simplificar tantas informações que podem ser um tanto complexas!

    ResponderExcluir
  3. Amei essa postagem,tenho certeza que vai me ajudar no trabalho de Literatura sobre o livro "Memórias de Um Sargento de Milícias"

    ResponderExcluir
  4. gostei bastante do blog, mas queria que deixa mas clara a parte do COMENTÁRIO CRÍTICO.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. EU NAO PERDERIA TEMPO FAZENDO ISSO PARA OUTROS NA BOA '-'

    ResponderExcluir
  7. Muito Bom!!! parabéns essa análise ta perfeita foi a melhor análise que já vi sobre este livro! muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Muito excelente, me ajudou muito,tudo bem explicado e complexo ^^

    ResponderExcluir
  9. faltou a "Maria Hortaliça" nos personagens kkk.
    ajudou muito, obrigado!

    ResponderExcluir